Vigilância Contra a Dengue: Entenda o Poder do Aedes aegypti

15 de março de 2024 | Categoria: Dicas, Novidades

Agente Causador e Sintomas da Dengue

A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus da família Flaviviridae, do gênero Flavivírus. Existem quatro sorotipos conhecidos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4, todos transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti.

Em Campinas, assim como em outras regiões do Brasil, esta doença varia desde formas assintomáticas até quadros graves, como a dengue hemorrágica. Os sintomas podem incluir febre alta, dor de cabeça, dores musculares, náuseas, vômitos e, em casos graves, hemorragia e choque.

O Vetor: Aedes aegypti

O Aedes aegypti é um mosquito pequeno, com cerca de 4 a 7 mm de comprimento, e se distingue principalmente por suas marcas brancas no corpo e nas pernas. O corpo é preto com listras brancas no tórax e abdômen, o que lhe dá uma aparência listrada ou pontilhada. As fêmeas, que são as responsáveis pela picada em humanos, têm um probóscide (bico para picar) longo e visível na parte frontal da cabeça.

Informações Biológicas do Aedes aegypti:

  • Habitat: O Aedes aegypti é predominantemente urbano, adaptando-se bem às cidades devido à sua preferência por depositar ovos em recipientes artificiais que acumulam água, como vasos, pneus velhos, baldes e outros recipientes deixados ao ar livre.

  • Ciclo de Vida: Seu ciclo de vida completo – de ovo a adulto – pode ocorrer em 7 a 10 dias, mas varia conforme as condições ambientais, como temperatura e disponibilidade de água. O ciclo compreende quatro estágios: ovo, larva, pupa e adulto.

  • Reprodução: Após a cópula, a fêmea do Aedes aegypti pode produzir 100 a 200 ovos por postura, que são colocados separadamente em locais próximos à água ou em suas bordas. Esses ovos podem resistir a dessecação por até 8 meses, eclodindo quando entram em contato com a água.

  • Alimentação: As fêmeas alimentam-se de sangue para maturar seus ovos, o que as torna vetores de doenças como a dengue e a febre amarela. Os machos, por outro lado, alimentam-se principalmente de néctar e não picam seres humanos.

  • Comportamento e Atividade: São mais ativos ao amanhecer e ao entardecer, embora possam picar durante o dia em locais sombreados. Tendem a picar as pessoas nas pernas e tornozelos e são conhecidos por sua habilidade de picar sem serem notados.

  • Sazonalidade: A densidade populacional do Aedes aegypti é maior no verão, devido ao aumento das temperaturas e da umidade, que favorecem o desenvolvimento rápido de seus ovos até a fase adulta e aumentam as chances de reprodução.

No Brasil, o Aedes aegypti foi reintroduzido após esforços de erradicação na década de 1950, com epidemias documentadas ocorrendo desde então. O país enfrentou ciclos endêmicos e epidêmicos da doença, com surtos significativos a cada quatro a cinco anos.

As estatísticas mostram um aumento tanto no número de casos como na gravidade da doença, com um pico crítico em 2010. Campinas, como parte do cenário nacional, tem enfrentado desafios significativos na gestão da dengue, necessitando de estratégias eficazes de controle e prevenção.

Sintomas da Dengue:

  • Febre alta repentina
  • Fortes dores de cabeça
  • Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento dos mesmos
  • Dores musculares e articulares
  • Cansaço extremo
  • Náuseas e vômitos
  • Erupções cutâneas que aparecem 3 a 4 dias após o início da febre
  • Leves sangramentos (nariz ou gengivas).

Prevenções Relacionadas à Dengue:

  • Eliminar água parada de recipientes como baldes, garrafas e pratos sob vasos de plantas para impedir a reprodução do mosquito

  • Utilizar repelente de insetos regularmente, especialmente durante o dia

  • Instalar telas em janelas e portas para evitar a entrada de mosquitos

  • Usar roupas que cubram a maior parte do corpo, especialmente durante as horas de maior atividade do mosquito

  • Assegurar que os recipientes que armazenam água estejam bem fechados para evitar que se tornem criadouros de mosquitos

  • Participar de campanhas comunitárias para limpeza de áreas que possam servir de criadouro para os mosquitos

  • Ficar em ambientes climatizados ou com boa circulação de ar, que dificultam a presença de mosquitos

  • Aplicar inseticida em áreas onde o mosquito é comum, seguindo as recomendações de segurança e saúde.

Apesar de todas as medidas de prevenção serem fundamentais para controlar a disseminação da dengue, é crucial reforçar essas ações com a desinsetização profissional.

A Zold oferece soluções sustentáveis de desinsetização que são eficazes no combate ao mosquito Aedes aegypti, sem agredir o meio ambiente. Contar com a expertise da Zold significa garantir um ambiente mais seguro e livre da dengue para todos.

Fale com nossos especialistas

Tem um problema? A Zöld vai te ajudar!

Saiba mais
Plugin WordPress Cookie by Real Cookie Banner